Observação.

Não demorou muito para eu notar que estava sendo vigiada. O meu cérebro vagava por rostos que eu não reconhecia. Sem particularidades, mas com a verossimilhança necessária para que eu logo soubesse sobre o que se tratava. Eu conseguia identificar suas roupas, seu corte de cabelo e até a tonalidade de sua pele. Nao obstante, a presença dessas “pessoas” não me amedronta.

O maior candidato a susto fora quando vi uma face a menos de 30cm da minha ao me virar. Não menos curioso, sao sei se o bloqueei, mas a imagem do rapaz dividindo o espaço do estrado da cama de cima, como se flutuasse sobre meu corpo, enfraquecia-se como se procurasse por um esconderijo. No entanto, o homem ao lado de minha cama, sustentando um sorriso presunçoso e mal disfarçado, ainda desnorteadoramente me incomodova.

Às vezes eu via apenas tais faces ou alguma parte de seus membros com os habituais vultos, assim acumulando vários minutos antes de conseguir me encontrar com o sono.

Eu nao sei o motivo de sua passagem, é como se soubessem sobre o que estivera prestes a ocorrer. Capaz que esperassem pelo espetáculo do qual eu seria a protagonista ao me atirar da janela. Sem dúvidas: Eu nao me acovardei, as coisas apenas estao indiferentes demais agora para que eu as mude.

Contudo, espero que eles continuem. Eu posso só ter me tornado mórbida, doentia e entediada demais, cônscia de que com os mortos as coisas eram absurdamente mais “interessantes”. Eu praticamente já era uma deles, afinal.

“A morte é pacífica, fácil. Viver é muito mais díficil.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s