Cabeça caixa.

Nuvem cheia da minha chuva.

clasuda  Nos sentimos pequenos, sozinhos, vazios e perdidos. Choramos de saudade de coisas que nunca tivemos, sentimos falta de abraços que foram dados de longe, através do pensamento. E nos deixamos levar por um amor que não é movido por dois corpos e duas almas e sim, por um corpo, uma alma e uma caixa cheia de (nada) vento.
E depois de tanto tempo alimentando esse amor de vento, o dono da caixa resolve tirá-la do seu lado, porque é hora de enche-la com sentimentos por um outro alguém. E agora? Você amou tanto aquele mundo de nada… você se dedicou tanto a criar um laço com aquele vazio com certidão de nascimento. Você ama aquela caixa de nada, quer que ela seja sua pra sempre. Mas ela não pode ser sua, porque ela nunca se alimentou verdadeiramente do amor que você sente por ela; então ela parte sem nem…

Ver o post original 161 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s