Aceitação.

Eu vou ter de encarar que assim como não fui a primeira, também não serei a sua última garota.

Eu vou ter de aceitar que você vai se deitar com outra ou outras, que a sua roupa de cama vai conhecer outros cheiros, que os seus braços vão se enlaçar em outros abraços, que a sua cabeça terá outros ombros, que as suas roupas guardarão outro perfume, que os seus cabelos terão outro cafuné, que a tua voz terá outra fã e ávida ouvinte, que os teus gemidos não serão mais a minha melodia exclusiva e preferida, que as suas mensagens não será mais a mim a quem envia, que os teus pensamentos se um dia os dedicou a mim agora não faz nem menção, que os pronomes possessivos que diz não são e nem serão associados a mim, que se teu corpo se encurva de prazer, não sou eu que estarei ali com você, que se alguém afaga com delicadeza sua face, contornando suas feições e memorizando cada canto seu, não será com as minhas digitais; eu vou ter de aceitar que as imagens de nós duas ao por do sol, em viagens ou almoços, era conversa, descuido ou poesia.

Vou aceitar que não fui e não serei sua amada, vou aceitar que fiz prece pro acaso e que não há santo que resolva o que não é destinado. A sua pele vai se distanciar da minha, corpo a corpo não terei o seu calor, vou carecer da sua risada, os seus olhares vão se ausentar como um céu que perde não uma estrela ou duas, mas impossível e exageradamente seu astro, as suas roupas não vão mais decorar o chão do quarto, eu vou deixar de comprar as suas comidas preferidas e guardar para suas visitas.

Eu vou aceitar que eu não fui quem você queria, que eu não fiz o que outra faria, que eu não acertei como gostaria, que eu não te fiz rir como poderia, que eu não estive o quanto precisaria, que eu não fui quem eu seria.

Eu tenho de aceitar que o nó na garganta são as malditas palavras mal ditas, que nos viramos do avesso e depois ao inverso e a confusão não era pouca, mas era irresistível. Eu tenho de aceitar que suas mãos não vão se dar as minhas, que diferente das minhas visões, nós não estamos juntas, que os sonhos eram fantasias, que as projeções de um futuro eram delírios, que as lágrimas por mais intensas que sejam, elas não são poucas mas também não são importantes assim, elas vão durar mais do que deveriam e só. Eu vou ter de aceitar que você vai desfilar por aí com alguém que deveria ser eu mas que não vai ser. Eu vou enxergar que não importa beleza, intelecto, atração ou interesse, pode ser só questão de escolha e eu não fui a sua.

Só que eu não sei aceitar o que não tem que ser aceito, mas me é imposto.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s